2005-07-20

usos e abusos

É detestável dizê-lo, mas a fotografia neste momento, é a arte mais puta de todas as artes.

Refiro-me óbviamente à fotografia enquanto manifesto artístico divulgado on-line. Porquê? Porque simplesmente, à distância de meia-duzia de cliques (no máximo dos máximos), sacamos para o nosso PC um Ansell Adams, um Henri Cartier-Bresson ou o trabalho de um qualquer fulano que passe a vida a fotrografar minhocas.

E de muitas, uma... ou as guardamos no PC, ou as imprimimos numa folha de papel e colocamo-las numa parede lá de casa, usamo-las como elemento num trabalho qualquer que se faz "na net", usa-se num documento qualquer, página pessoal... enfim... usamo-la de qualquer modo, sem que haja antecipadamente uma salvaguarda pelos direitos de autor.

Quantas e quantas vezes deparamos com informação proveniente de qualquer ponto do planeta com um logotipo, foto ou texto, proveniente de um qualquer site fotográfico, sem que se faça antecipadamente um pedido expresso de autorização ao seu autor? Que trabalho universitário não recorre a bancos de imagens ou sites-portfólio, para ornar os relatórios apresentados?

Quantos Blogs não grassam por aí com fotos de terceiros, sem qualquer referencia ao seu autor?
Soube do caso de um colega que viu uma foto sua a ser (ab)usada num site institucional, assim sem mais nem menos, onde essa foto foi cedida para um fim, e tendo sido usada para o que se propôs, foi mais tarde usada nouto propósito sem pejo algum nem salvaguardando a obra artística de quem quer que fosse. Nem a porcaria de um "nome" a foto levou. Mas usou-se. Que era isso o mais importante para quem a quis usar.

Dentro do meio fotográfico, não raras vezes, deparamos com objectos fotografados de nossa autoria, completamente desvirtuados e modificados digitalmente? Ainda à dias, alguem alertou para o facto de haver alguem num blog que tinha usado algumas fotos de autores portugueses, mas que cínicamente tinha colocado uma marca de água com identificação própria, sacando assim, todos os "direitos" sobre a obra fotografada.

A arte fotográfica on-line é uma arte puta. Dá para toda a gente. Não se limita a ser algo observável. Não serve de exemplo para quem quer que seja, que pegue naquilo que viu e saia para a rua para tentar fazer igual, pior ou melhor. Se está ali tão perto, porque não ficar logo com ela...?

Safam-se todos os artistas que mostram as suas fotos em formatos reduzidíssimos. Um JPEG com baixa resolução e 300pixeis no lado maior, safa-se mais depressa pois à partida inibe que qualquer redimensionamento não provoque artefactos e aberrações, que se notam valentemente em reprodução. Disse "inibe", mas não de todo. Quem quiser usar as fotos, usa-as na mesma e "esquece-se" do autor. Ponto final.

A lei de protecção de direitos neste campo específico deveria ser mais detalhada. O digital traz um grande problema que é a prova de unicidade. Como provar que uma fotografia digital pertence a determinada pessoa? No filme, isso é fácil. Há sempre o negativo... mas no digital...

Ressalvo óbviamente todos aqueles que ainda vão tendo o bom senso e a delicadeza de citar a fonte da fotografia usada. Mas são muito poucos... muito poucos mesmo.